M.Lagrotta e-commerce

Tel:011 999461963
Login Cadastre-se
Home » Informativo » Enquanto varejistas brasileiros de moda assistem, gigantes do e-commerce chegam mais perto!
A+ R A-

Enquanto varejistas brasileiros de moda assistem, gigantes do e-commerce chegam mais perto!

Avalie este item
(1 Avaliação)

Enquanto algumas empresas brasileiras de vestuário e acessórios ainda relutam em ingressar no comércio eletrônico, empresas estrangeiras como o eBay investem em aplicativo de compra em português para conquistar os brasileiros. A estreia do primeiro aplicativo projetado pelo eBay especificamente para o mercado brasileiro repercutiu. Menos de um mês após o lançamento, o aplicativo de moda para celular está entre os principais baixados no país. "Estamos chegando ao primeiro lugar, não só na categoria Lifestyle, mas de todas as categorias", comenta Luis Arjona, diretor de operações da eBay no Brasil.

 

Ao invés de um site convencional, a gigante norte-americana do e-commerce decidiu apostar sua fichas nos dispositivos móveis. O aplicativo está disponível para os sitemas Android e iOS da Apple em português, o preço dos artigos aparecem em reais, mas o pagamento ainda é efetuado em dólares americanos.

 

Em 2014 o eBay deverá anunciar o site em português com preços e pagamento reais. "Uma vez feito isso, o terceiro e último passo para ter todo o nosso negócio localmente será abrir a plataforma para que vendedores brasileiros possam se cadastrar no Brasil, para vender no país e no mundo inteiro." Afirma Arjona. O investimento em português (idioma falado por cerca de 235 milhões de pessoas) faz parte da estratégia de expansão da empresa nos BRICS, formado pelos emergentes Brasil, Rússia, China, Índia e África do Sul. Para os próximos quatro anos, é esperado um crescimento de 91% do uso da internet nesses mercados e outros emergentes.

 

Compras online em alta
O eBay quer participar da expansão do comércio eletrônico no Brasil. Até o final do ano, é esperado um crescimento de 25% no faturamento em relação ao ano anterior. O aumento de usuários da internet impulsionou ainda a quantidade de pedidos online, que chegou aos 35,54 milhões no primeiro semestre do ano, segundo uma pesquisa da E-bit. A expectativa é que o setor feche o ano com um faturamento de R$ 28 bilhões. Além disso, nesse ano, 8,9 milhões de novos consumidores devem passar a usar esse serviço. Os produtos campeões de venda são artigos de moda e acessórios (13,7%), seguido por eletrodomésticos (12,3%) e cosméticos e perfumaria (12,2%).

 

Ventos favoráveis
Segundo o diretor de comunicação da Câmara Brasileira de Comércio Eletrônico, Gerson Rolim, 53 milhões de brasileiros farão compras na internet até o final de 2013. Mas esse número pode dobrar nos próximos anos, já que o país contabiliza atualmente cerca de 105 milhões de conexões de banda larga móvel e fixa.

"É um mercado que ainda tem muito a crescer e quando os grandes chegam, em vez repartirem mais uma fatia da mesma pizza, a visão que a gente tem é que eles estão aumentando a pizza, ou seja, estão ajudando a ampliar ainda mais o mercado", avalia Rolim.

 

Gerson Rolim ainda destaca a aposta das grandes lojas de varejo no comércio eletrônico no Brasil. Atualmente, marcas internacionais como Mercado Livre, Walmart, Amazon, Apple Store e Netflix já operam no país. A adaptação do brasileiro ao modelo de compra pré-paga com o cartão de crédito, o aumento do acesso e da velocidade da banda larga seriam outros fatores decisivos para o crescimento do setor.

 

O eBay é dos sites mais acessados por consumidores no Brasil. A cada 6 minutos um brasileiro compra no site um par de sapatos, a cada 4 minutos uma bolsa feminina e a cada 3 um acessório feminino, apontam as estatísticas da empresa.

Empresas brasileiras do mercado de vestuário precisam "acordar" rapidamente para não serem surpreendidas. A cada dia que passa cada um de seus clientes no mundo físico, ganham alternativas digitais para comprar produtos que hoje ainda são comprados em suas lojas físicas.


"Os varejistas tradicionais e as marcas que querem vender diretamente para o consumidor, não podem se esquecer que, independentemente deles, seus clientes já estão no comércio eletrônico." afirma Marcelo Lagrotta, consultor especializado em e-commerce que tem ajudado empresas de diversos portes e seguimentos a iniciarem suas operações de vendas pela internet. Se sua empresa quer ajuda profissional para desenvolver uma operação de e-commerce, faça contato com a M.Lagrotta e-commerce consulting.

 

Com informações de Deutsche Welle, eBit e Portal Terra

Entre para postar comentários

Comentários

Consultoria em Destaque

Veja aqui os principais serviços de consultoria.

Login

Cadastre-se

*
*
*
*
*

* Campos obrigatórios